Adoração

Autor: Jhon Smith

Resumo: Paulo nos diz como devemos nos comportar quando nos reunimos para adorar. Ele fala separadamente para homens e mulheres. As questões são diferentes para homens e mulheres

Em 2: 3 e 4, Paulo diz: “Isso é certo e é aceitável aos olhos de Deus, nosso Salvador, 4 que deseja que todos sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade.” Ele nos lembra que existe apenas um Deus e único mediador entre Deus e a humanidade, Jesus Cristo. Então ele primeiro pede que oremos por aqueles que não conhecem Jesus, mas depois continua nos dizendo como devemos nos comportar quando nos reunimos para adorar. Parte do que ele diz é por boas razões teológicas, mas muito tem a ver com apresentar uma face ao mundo que promove o Evangelho, em vez de miná-lo.

Ele fala separadamente para homens e mulheres. As questões são diferentes para homens e mulheres. E as instruções que ele dá falam tanto para a nossa apresentação pública como para o nosso ser interior.

Homens

Ele fala primeiro aos homens da congregação. Ele diz que deseja que em todos os lugares os homens orem, levantando mãos santas sem raiva ou argumento.

Portanto, sua primeira instrução é que os homens devem orar. Isso parece bastante simples, não é? Certamente se encaixa na cultura do dia. Os homens foram os que lideraram a adoração. Mas observe como eles devem fazer isso.

A apresentação externa é com as mãos levantadas. Essa era a maneira culturalmente relevante de orar. Você levantou-se para orar e levantou as mãos para Deus no céu.

Mas há mais do que isso. Sua vida interior precisa estar de acordo com sua apresentação externa.

Então eles devem levantar as mãos sagradas em oração. O que são mãos sagradas? Bem, são mãos que não fizeram nada para torná-las impuras. O salmo de hoje faz a pergunta:

Quem subirá ao monte do Senhor, ou quem permanecerá no seu lugar santo? E a resposta que dá? “Aqueles que têm mãos limpas e um coração puro: que não colocam a alma em ídolos, nem juram mentir.” As mãos sagradas aqui representam um coração puro. Não faz sentido levantar nossas mãos em oração a Deus se elas são contaminadas pelo pecado.

Observe que o pecado em que ele está pensando não inclui apenas o que você fez com as mãos, as expressões físicas do pecado. Também inclui o que você faz em seu coração e mente. Raiva e brigas estão fora, se você quiser levar suas orações a Deus. Como você pode orar a Deus se você tem ressentimento ou amargura em seu coração contra outra pessoa ou, pior ainda, contra o próprio Deus? Você se lembra de Jesus dizendo que quando você traz sua oferta a Deus, se você lembra que tem algo contra outra pessoa para deixar sua oferta no altar e ir e primeiro se reconciliar com essa pessoa?

Portanto, santidade, amor e paz são pré-requisitos essenciais para a oração. Mas e quanto a levantar as mãos? O que fazemos com essa instrução? Todos os homens que oram na igreja precisam [se tornar carismáticos e] levantar as mãos sempre que oram? Deveríamos parar com esse hábito que alguns têm de se ajoelhar para orar, em vez de ficar de pé com as mãos levantadas? Não, há outras partes das Escrituras em que são mencionadas diferentes posturas para orar – sentado, ajoelhado, curvando-se e até deitado de bruços diante do Senhor. Claramente, esta é uma instrução culturalmente condicionada que não possui mais força para nós. Para o tempo de Paulo, pode ter sido importante, particularmente em uma igreja onde a herança judaica ainda era forte. Desde que nossa postura seja apropriada à nossa cultura e expresse a atitude correta em relação ao que estamos fazendo,

Antes de prosseguirmos para o próximo conjunto de instruções, devo mencionar que, na lista de adoração, as mulheres superam os homens de 2 a 1 na seção de oração. Eu me pergunto se os homens jogaram a bola na igreja moderna no que diz respeito à liderança em oração. Estamos tão ocupados fazendo coisas que deixamos a oração para as mulheres da igreja?

Mulheres

Após essa instrução muito curta para os homens, ele passa a um conjunto muito mais detalhado de instruções para as mulheres. Agora, foi sugerido que havia um problema específico em Éfeso, relacionado ao templo de Diana, o que significava que as mulheres estavam causando problemas à ordem de adoração e que isso estava colocando o evangelho em descrédito.

[Isso me lembra um pouco do que aconteceu nas décadas de 60 e 70 quando a libertação feminina decolou. Naturalmente, houve uma forte reação em algumas igrejas às limitações impostas ao ministério e liderança das mulheres, quando o mundo inteiro começou a aceitar que as mulheres tinham a mesma capacidade e nível educacional que os homens. Mas o problema nem sempre foi tratado de uma maneira útil. De fato, isso costumava ser feito com raiva e argumento, em vez de persuasão gentil ou argumento ponderado. Lembre-se de que a culpa foi provavelmente dos dois lados. Mas pode ser que algo semelhante esteja acontecendo aqui, com as mulheres insistindo para que tenham os mesmos direitos que os homens.]

Então, ele lhes dá um conjunto de instruções sobre como as mulheres devem se comportar.

Modéstia e decência

Primeiro, ele insiste em que se vistam com modéstia e decência. A palavra que ele usa realmente significa adornar-se: isto é, apresentar-se de uma maneira que realce sua beleza. Mas não é para ser de uma maneira chamativa ou sugestiva. Não há sugestão de que as mulheres não cuidem de sua aparência. De fato, o oposto pode ser lido. Eles devem cuidar de sua aparência, mas ela precisa ser adequada. [Então, uma roupa de Lady Gaga pode não ser uma boa ideia.]

Mas ele diz que não devem trançar os cabelos ou usar ouro, pérolas ou roupas caras. Agora, essa é provavelmente uma questão relacionada à maneira como as prostitutas do templo de Diana se vestiriam, em vez de uma regra contra ter tranças ou usar brincos de ouro. Novamente, a questão é de comportamento culturalmente apropriado. Se você deseja que o evangelho seja visto de maneira positiva, os membros da igreja precisam se vestir de uma maneira que os leve a serem respeitados na comunidade. Veremos uma consideração semelhante em algumas semanas, quando George examinar as qualificações de presbíteros e diáconos.

Mas se essas regras sobre o tipo de roupa e joalheria que as mulheres devem usar são condicionadas culturalmente, a próxima parte não é. Ele diz que eles devem adornar-se com boas obras que se encaixam na sua adoração a Deus. Na semana passada, ouvi duas reações separadas ao fato de que Janet Davies e Ruth Kernebone estavam cuidando das crianças do beco enquanto sua mãe estava no hospital. Ambas as pessoas expressaram admiração pelo fato de que as pessoas de St. Thomas ‘estavam se esforçando para cuidar delas. Aqui está o tipo de recomendação do evangelho sobre a qual Paulo está falando. Boas obras que falam alto da nossa adoração ao Deus da graça e misericórdia.

Submissão, obediência, inscrição, candidatura

Mas então ele continua falando sobre o modo como as mulheres se comportam nos cultos. Aqui chegamos a uma das passagens mais controversas e mais discutidas da Bíblia. A pergunta que precisamos responder é a seguinte: quanto disso é culturalmente motivado e quanto é uma ordem fixa na igreja?

Ele começa instruindo as mulheres a aprender em silêncio, com total submissão. Parece que essas mulheres estavam silenciosas e, em vez de aprenderem com as professoras às quais os apóstolos haviam dado autoridade, elas corriam o risco de cometer o erro de Eva. Qual foi o erro de Eve? Ela ouviu o que o falso professor original, o Diabo, disse em vez de perguntar a Adão, que havia recebido a Palavra de Deus sobre o que não comer.

Então, o que eles deveriam fazer? Bem, ele instrui-os a aprender. Se você aprender, presumivelmente, mais tarde será capaz de ensinar [e, de fato, é isso que as mulheres devem fazer na carta de Paulo a Tito]. Mas, nesta fase, havia apenas duas fontes de conhecimento – o ensino dos apóstolos, confiado a Timóteo e os outros anciãos, e o de falsos mestres como Hymnaeus e Alexander.

É interessante que Paulo também use o exemplo do pecado de Eva em 2 Coríntios 11, onde ele está enfrentando a mesma situação de falsos ensinamentos, mas nesse caso ele adverte toda a igreja a não ser enganada do jeito que Eva era.

Portanto, é claro que Paulo não queria que as mulheres ensinassem homens. Mas ele também não queria que nenhum homem ensinasse homens, a menos que tivessem sido autorizados por ele ou pelos outros apóstolos.

Ele também não quer que as mulheres tenham autoridade sobre os homens. A palavra usada aqui é authenteo. Significa operar sob sua própria autoridade. É a palavra da qual nos autenticamos. Eu autentico algo quando digo que é genuíno. Portanto, há a sugestão de que essas mulheres estavam se estabelecendo como autoridades em oposição aos anciãos designados por Paulo.

A outra coisa interessante é que aqui Paulo fala sobre Eva sendo enganada, mas em Romanos 5 ele diz que foi Adão quem primeiro pecou. Claramente, precisamos entender o que importa teologicamente neste contexto particular. É uma diferença na criação que Paulo pensa quando se refere a Adão sendo formado primeiro? Bem, não, porque em Romanos 5 ele praticamente iguala Eva e Adão, referindo-se apenas a Adão. Não, acho que ele está pensando na revelação da vontade de Deus, dada a Adão antes da criação de Eva, para que, quando ela fosse tentada, não tivesse a história completa. O que ela deveria ter feito foi voltar a Adão para verificar se o que Satanás havia dito a ela era verdade e depois se decidir; ou melhor ainda, deveriam ter decidido juntos!

[Apenas como um aparte, um dos argumentos comuns para manter essa proibição às mulheres que lideram e até ensinam é a ideia de que Paulo está pensando na complementaridade de homens e mulheres na história da criação. O problema que tenho com essa noção é que não consigo encontrar nenhuma menção de complementaridade em Gênesis 2 . Tudo o que posso encontrar é a igualdade – “ossos dos meus ossos e carne da minha carne” e “eles se tornam uma carne”. A complementaridade parece apenas aparecer em Gênesis 3 quando eles começam a culpar um ao outro ou quando Deus diz que o desejo dela é para o marido, e ele a dominará (Gênesis 3:16). Então eu acho que é uma conclusão falsa.]

Então, como aplicamos isso no século 21 em Melbourne? Quais são os elementos culturalmente condicionados dos quais podemos dispensar e quais são os princípios que precisamos manter.

Bem, o primeiro princípio é que quem ensina precisa primeiro aprender o que os apóstolos ensinaram. Nós gerenciamos isso através de faculdades teológicas que ensinam, examinam e certificam o conhecimento e a compreensão das pessoas. Na Igreja Anglicana, temos bispos que autorizam ministros a pregar e ensinar. No que diz respeito à educação e ao conhecimento, claramente a situação hoje está muito longe de Éfeso no século I. Então as mulheres não tiveram oportunidade de serem educadas. Hoje, as mulheres no ministério são igualmente qualificadas e, em alguns casos, muito mais qualificadas educacionalmente do que a maioria dos ministros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.