A história de Jesus: nascimento, vida, morte e ressurreição

conhecendo jesus cristo

A história de Jesus: nascimento, vida, morte e ressurreição



nailed-cross A história de Jesus: nascimento, vida, morte e ressurreiçãoPor favor, considere este breve estudo de quem é Jesus, o que Ele fez e como Ele viveu e morreu. Discutimos o Seu nascimento, incluindo a Sua existência eterna, nascimento virginal e cumprimento da profecia. 

O resumo de Sua vida descreve Seu batismo, tentação, ensino e a evidência de Suas reivindicações. Concluímos com um estudo de Sua traição, provações, morte por crucificação, sepultamento, ressurreição e ascensão.

Introdução:

Dois de nossos hinos mais amados falam sobre “contar a história” de Jesus. Um deles é intitulado “Conte-me a história de Jesus”. A outra é “Eu amo contar a história”. Ambos enfatizam o fato de que todos precisam conhecer a história de quem é Jesus, o que Ele fez e o que Ele ensina.

1 Coríntios 15: 1-5 diz que a verdade sobre Jesus é o fundamento do evangelho. E Jesus é o tema central da Bíblia. Então todo mundo precisa ouvir a história de Jesus.

Pessoas que não são discípulos de Jesus precisam ouvir a história de Jesus.

Uma das canções diz: “Eu adoro contar a história, pois alguns nunca ouviram, a mensagem da salvação, da santa Palavra de Deus”.

Muitos exemplos da Bíblia mostram que, ao ensinar pessoas que não conhecem ou entendem a vida e o caráter de Jesus, pregadores fiéis do evangelho sempre os ensinaram sobre essas verdades básicas (ver Atos caps. 2,3,8,10, etc.).

Assim, conhecer a vida e o caráter de Jesus é absolutamente fundamental para a comunhão com Deus. As pessoas que não são discípulos de Jesus precisam ouvir a respeito de Jesus, porque precisam crer e obedecer à mensagem do evangelho para serem salvas (Rm 10:17; João 20: 30,31).

images-2 A história de Jesus: nascimento, vida, morte e ressurreição

As pessoas que são discípulos de Jesus também precisam ouvir a história de Jesus.

Outro verso na canção diz: “Eu adoro contar a história, Para aqueles que a conhecem melhor, Parecem famintos e sedentos, Para ouvir como o resto”.

Os filhos de Deus precisam ser lembrados da vida e do caráter de Jesus (2 Pedro 1: 12,13). Precisamos ser lembrados das evidências em que nossa fé está baseada (Rm 10:17), do grande amor de Deus por nós (1 João 4: 9,19) e do exemplo perfeito que Jesus estabeleceu (1Pe 2 : 21ff).

Entenda que “a história de Jesus” não é apenas Mateus, Marcos, Lucas e João. E pregar Jesus não é apenas pregar sobre as coisas que Ele fez. Pregar Jesus inclui pregar o que Ele ensinou, incluindo os ensinamentos que Ele inspirou Seus apóstolos e profetas a ensinar. Em resumo, todo o Novo Testamento é a história de Jesus.

Mas o foco deste estudo enfatizará o que Jesus fez e quem Ele é. Vamos usar os versos de “Conte-me a história de Jesus” para delinear os nossos principais pontos. As perguntas que eu espero que você se pergunte enquanto estudamos são: (1) Você adora ouvir a história de Jesus? E (2) Você ama contar a história de Jesus? Em caso afirmativo, quão diligente você é em contar aos outros? Você procura oportunidades para conversar com as pessoas sobre o evangelho de Cristo?

Note Verse 1 – Nascimento de Jesus

Considere os seguintes fatos sobre Jesus que precisamos entender com base no ensino bíblico sobre Seu nascimento:

A. Ele Existiu da Eternidade (o Criador).

A existência de Jesus não começou com o Seu nascimento. Ele existiu desde a eternidade com Deus o Pai e o Espírito Santo.

Sua eterna natureza

Miquéias 5: 2 – De Belém viria um governante cujas idas e vindas foram desde a antiguidade, desde a eternidade. Esta passagem é aplicada a Jesus em Matt. 2: 4-6. Ele nasceu em Belém, mas Ele existiu desde a eternidade.

João 1: 1,2 – A “Palavra” (Jesus – v14) estava no princípio com Deus e era Deus. Ele é um Ser ou Indivíduo separado do Pai (Ele estava “com Deus”), mas Ele possui a natureza da Deidade exatamente como o Pai faz (Ele “era Deus”).

[Psa. 90: 1-4; 93: 2; 55:19; Hebr. 1:12; cf. Psa 102: 24-27 com o Hb. 1: 8-12; É um. 9: 6; João 8:58]

Seu trabalho na criação

a história de jesus João 1: 3 – Todas as coisas foram feitas por ele, e nada foi feito sem ele. Não somente Jesus existiu desde a eternidade, mas Ele é o eterno Criador de todas as coisas criadas.

Colossenses 1:16 – Por Jesus foram todas as coisas criadas. Se Jesus fez tudo o que foi criado, então Ele mesmo não deve ter sido criado. Ele é eterno – a causa eterna de tudo o que existe. Certamente, o eterno Criador deve possuir a Deidade, de modo que esses versículos afirmam a Deidade de Jesus.

Então, a primeira coisa a saber sobre Jesus é que Sua vida na terra não foi o começo de sua existência. Ele existiu desde a eternidade com o Pai Celestial, e Ele foi, de fato, o eterno Criador de todo o universo.

[Cf. Hebr. 1: 2.]

B. Ele deixou o céu para viver na terra.

Filipenses 2: 5-8 – Embora Ele existisse no céu na forma de Deus, Jesus não insistiu em guardar a honra e as bênçãos que Ele tinha lá. Ele se esvaziou para viver na terra como homem, e se humilhou até ao ponto de morrer na cruz

2 Coríntios 8: 9 – Ele tinha grandes riquezas (no céu), mas Ele desistiu disso e tornou-se pobre (quando veio à terra). Como resultado desse sacrifício, podemos nos tornar ricos.

Jesus teve a glória e os privilégios de ser honrado como divindade no céu. Mas Ele deu essa honra para vir à terra para viver como homem. Deidade tomou o lugar do homem – Deus na carne. Nós veremos porque nós continuamos.

[Cf. Hebr. 2: 14-17; João 17: 5.]

C. Sua vinda foi prometida a grandes homens do Antigo Testamento.

A promessa a Abraão

Gênesis 12: 3 – Como parte de uma das maiores promessas da Bíblia, Deus disse a Abraão que seu descendente traria uma bênção a todas as famílias da terra.

Atos 3: 25,26 – Jesus cumpriu esta promessa oferecendo o sacrifício pelo qual todos os homens podem ser salvos de seus pecados. Deus planejou desde antes de Jesus nascer, que Sua vinda abençoaria todas as nações do mundo em cumprimento de uma promessa divina fundamental.

A promessa a David

Deus também prometeu ao rei Davi que seus descendentes continuariam a governar o povo de Deus (2 Sm 7: 12-16; Jr 23: 5). O Antigo Testamento freqüentemente predisse a vinda do reino que estaria sujeito a este Ungido Governante (o Messias ou Cristo) (Dn 2, etc.).

Lucas 1: 32,33 – O anjo disse à mãe de Jesus, Maria, que Ele teria o trono de Davi e reinaria sobre Seu reino para sempre.

Mateus 1: 1-16 (nota v17) – A genealogia de Jesus é traçada através de David, para mostrar que Ele era o herdeiro de Davi (cf. Lucas 3: 23-38, Atos 13: 22,23).

Por direito de herança, Jesus mereceu governar como rei. Vamos aprender mais sobre isso enquanto prosseguimos.

D. Ele nasceu de uma virgem.

a história de jesus Algumas pessoas hoje negam o nascimento virginal. Mas essa visão nega uma prova fundamental da natureza de Jesus e também nega a inspiração da Bíblia, pois a Bíblia afirma claramente isso.

Lucas 1: 26-35 – Maria é claramente descrita como uma “virgem”. Um anjo disse a ela que ela conceberia e teria um filho. Ela não entendia, já que ela não tinha relações com um homem; Assim, o anjo explicou que isso ocorreria pelo poder do Espírito Santo.

Mateus 1: 18-25 – Ela estava prometida a José, mas ela concebeu pelo poder do Espírito Santo antes que ela e José estivessem unidos (ele não a “conheceu sexualmente até depois que Jesus nasceu”). Um anjo assegurou a Joseph que isso ocorrera pelo poder de Deus, não como um ato de imoralidade; então José começou a tomá-la como esposa.

Deus trouxe Jesus ao mundo por um milagre. No início de sua existência terrena, Deus usou um evento sobrenatural para provar que Jesus não era um homem comum.

Este milagre também simboliza a natureza dual de Jesus: Sua concepção e nascimento por uma mulher mostra Sua natureza humana. Sua concepção pelo Espírito Santo (Deidade), sem um pai humano, mostra que Ele não é apenas humano, mas também é Divino. A natureza do homem e a natureza de Deus estavam unidos em Jesus.

E. Ele nasceu em circunstâncias humildes.

Embora Ele tenha se tornado um Rei e, de fato, fosse o Criador Eterno, Jesus nasceu e viveu nas circunstâncias mais humildes.

Lucas 2: 1-18 – Jesus nasceu em um estábulo e colocou em uma manjedoura. No entanto, os anjos anunciaram que Ele seria o Salvador, o Cristo (o Ungido) e o Senhor (mestre, governante). Este evento milagroso também provou o caráter especial daquele que nasceu.

Mateus 2: 13-23 – Tendo sido honrado pelos sábios, Jesus teve que escapar da morte pelas mãos de Herodes. Assim, José e Maria o levaram para o Egito e depois voltaram para Nazaré, uma das cidades mais humildes (João 1:46). Aqui Ele cresceu como filho de um carpinteiro (Mt 13:55; Marcos 6: 3).

Esta é a história do nascimento de Jesus. Você acredita que esta história seja verdadeira? Você gosta de contar a história para os outros? Que esforços você fez para dar aos outros a oportunidade de ouvir e acreditar?

Nota Verso 2 – A Vida de Jesus

Poderíamos passar horas discutindo a vida e os ensinamentos de Jesus. Vamos nos concentrar em apenas alguns eventos que demonstram seu caráter e seu propósito de vir.

A. Seu Batismo

O batismo de Jesus mostra a importância da obediência e do batismo.

Mateus 3: 13-17 – Jesus foi batizado para “cumprir toda a justiça” (v15). O evangelho ensina que hoje precisamos ser batizados para receber a remissão de pecados (Atos 2:38). Mas Jesus não tinha pecados para ser perdoado, então Ele não foi batizado pela mesma razão que nós. Mas ele ainda precisava ser batizado para obedecer à vontade de Deus.

Hebreus 5: 8,9 – Jesus aprendeu o significado da obediência a partir da experiência pessoal. As pessoas tendem a pensar que outras pessoas não nos entendem: as crianças acham que os pais não entendem, as esposas acham que os maridos não entendem, etc. Então, podemos também pensar que Deus não nos entende, mas apenas se senta em uma torre de marfim. fazendo regras. Mas vivendo, sofrendo e morrendo como homem, Jesus nos assegura que Deus realmente entende e se importa conosco.

[Lucas 7:30]

a história de jesus O batismo de Jesus mostra a relação entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo

Quando Jesus estava sendo batizado, o Espírito Santo veio na forma corpórea de uma pomba, e o Pai falou do céu. Isso mostra que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são três Seres ou indivíduos distintos.

Mas embora Jesus seja um indivíduo separado, o Pai e o Espírito Santo afirmaram sua unidade com Jesus e sua aprovação dEle. A voz milagrosa do Pai e a aparência miraculosa do Espírito constituem a prova Divina de que Jesus era o Filho de Deus.

Assim como Deus demonstrou miraculosamente a natureza especial de Jesus quando Jesus nasceu, Ele novamente demonstrou o caráter especial de Jesus no início do ministério público de Jesus.

B. Sua Tentação

Mateus 4: 1-11 – Jesus jejuou no deserto 40 dias e noites. Satanás veio então a tentá-lo. Isso nos ensina:

Podemos resistir a Satanás confiando na palavra de Deus.

Jesus respondeu a todas as tentações dizendo: “Está escrito”. Nós deveríamos fazer o mesmo.

1 Coríntios 10:13 – Podemos vencer toda tentação, assim como Jesus fez. Há sempre uma maneira de escapar, então nunca há uma desculpa para o pecado.

Efésios 6: 10-18 – Usando a armadura que Deus provê, somos capazes de resistir a Satanás e extinguir todos os seus dardos inflamados.

A tentação de Jesus nos mostra que podemos vencer Satanás e nos mostra como fazê-lo: confiando na palavra de Deus.

Jesus viveu uma vida sem pecado.

Assim como Jesus venceu as tentações de Satanás neste caso, assim Ele fez durante toda a sua vida. Embora Satanás tentasse repetidamente derrotá-lo, Jesus venceu todas as vezes.

1 Pedro 2: 21,22 – Ele viveu sem pecado, dando um exemplo perfeito para nós seguirmos. Embora tenhamos pecado e precisado de perdão, isso nunca foi verdade para Jesus. Sua vida é um exemplo e uma meta para nós lutarmos: devemos nos esforçar para viver acima do pecado como Ele fez.

Hebreus 4: 15,16 – Jesus foi tentado em todos os pontos como nós somos, mas Ele não pecou. Novamente, isso mostra que Deus entende o que passamos quando nos deparamos com a tentação. Se Jesus não tivesse sofrido como nós, poderíamos pensar que Deus exige demais. Mas a vida de Jesus prova que Deus compreende e simpatiza, mas ainda não há desculpa para o pecado.

Jesus foi o único homem a viver sem cometer um único pecado, então Ele é o único que realmente merece ser considerado justo diante de Deus. Mais tarde, veremos que essa vida sem pecado era necessária para que Ele fosse um perfeito sacrifício pelos nossos pecados.

[Cf. Matt 10:25]

C. Seu ensinamento

Nós não vamos gastar muito tempo aqui considerando o conteúdo específico do ensinamento de Jesus, mas podemos notar alguns pontos gerais sobre isso.

a história de jesus  Os ensinamentos de Jesus revelam a vontade de Deus para o homem.

Mateus 17: 1-5 – Na Transfiguração, Deus novamente afirmou que Jesus é o Seu Filho, por isso devemos ouvi-lo. Deus novamente milagrosamente demonstrou sua aprovação divina do ensinamento de Jesus.

Mateus 28: 18-20 – Devemos observar todos os mandamentos de Jesus, porque Ele tinha autoridade para ordenar aos homens que obedecessem.

Os ensinamentos de Jesus não eram a opinião humana ou a sabedoria humana. Eles eram a absoluta vontade de Deus. Jesus veio como Deus na carne para revelar uma mensagem ao homem de Deus.

[Heb. 1: 1,2; Atos 3: 22,23]

Os ensinamentos de Jesus são essenciais para nossa salvação.

João 6: 63,68 – As palavras de Jesus são espírito e vida. Ele tem as palavras da vida eterna.

João 14: 6 – Ele é o caminho para o Pai. Ninguém pode vir ao Pai senão por ele.

Atos 4:12 – Ninguém além Dele pode prover salvação.

Os ensinamentos de Jesus não são opcionais. Precisamos aceitá-los e obedecê-los, porque eles vêm de Deus e nos mostram a única maneira de receber a vida eterna. Ninguém deve dizer que acredita em Jesus, mas não vê necessidade de seguir Seus ensinamentos. Seguir os ensinamentos de Jesus é a única maneira de se beneficiar da vida e morte de Jesus.

[Cf. 1 João 5: 11,12; João 12:48]

Os apóstolos e profetas de Jesus entregaram Seus ensinamentos após Sua ascensão.

Lucas 10:16 – Jesus enviou os discípulos para falar a Sua vontade, para que possamos ter certeza de que eles falaram a verdade de Deus, assim como o próprio Jesus havia feito.

João 16: 12,13 – Especificamente, Jesus enviou o Espírito Santo para guiá-los a falar as verdades que Jesus não revelou durante a Sua vida, porque o tempo ainda não estava certo. Mas toda verdade seria revelada aos apóstolos pelo Espírito Santo.

1 Coríntios 14:37 – O Espírito Santo guiou estes homens para falar e escrever a vontade de Deus. O resultado é que a palavra escrita que temos no Novo Testamento hoje constitui os próprios mandamentos do próprio Jesus.

Jesus não apenas falou por Deus, mas permitiu que Seus apóstolos e profetas falassem por Ele e por Deus. Você e eu podemos conhecer a vontade de Deus para nós hoje através da mensagem que esses homens inspirados escreveram.

[Cf. Matt 10: 19,20; Atos 1: 8; 2 Timóteo 3: 16,17]

Para se beneficiar do ensinamento de Jesus, devemos acreditar e obedecer.

Mateus 7: 21-27 – Para entrar no reino dos céus, não basta crer em Jesus ou confessá-lo como “Senhor”. Devemos também obedecer à vontade do Pai, que Jesus revelou. Para ser verdadeiramente sábio, devemos ouvir e fazer o que Jesus ensinou.

Marcos 16: 15,16 – Jesus disse que Seu evangelho deve ser pregado a todos. Quem crer e for batizado será salvo. Mas quem não crer será condenado.

Hebreus 5: 9 – Jesus é o autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem.

Aqueles que realmente crêem em Jesus não devem apenas crer em Seu nascimento miraculoso e vida sem pecado, eles devem também crer que Ele era o Filho de Deus e um porta-voz Divino de Deus. E devemos reconhecer nossa necessidade de acreditar e obedecer a Seus ensinamentos como a única maneira de receber a vida eterna. Seus ensinamentos são revelados para nós nas Escrituras.

[Veja também João 8: 24,31,32; Lucas 6:46; 2 João 9; 1 pet. 1: 22-25; ROM. 6: 17,18.]

E. sua evidência

Como sabemos que as afirmações feitas sobre Jesus na Bíblia são realmente verdadeiras? Qualquer um pode afirmar que vem de Deus ou falar em nome de Deus. Que prova existe? Das muitas provas disponíveis, consideraremos apenas duas categorias.

Jesus cumpriu a profecia do Antigo Testamento.

Afirma que Jesus cumpriu a profecia

Lucas 24: 25-27,44 – Jesus afirmou que os eventos em sua vida cumpriram a profecia do Antigo Testamento.

1 Coríntios 15: 1-4 – Os apóstolos de Jesus também afirmaram sua profecia cumprida.

Os homens só podem prever o futuro distante em detalhes se Deus os guiar. Então, se os homens predizem em detalhes que alguém viria a ser um governante do povo de Deus e um porta-voz inspirado de Deus, e então alguém vem e cumpre essas profecias, devemos concluir que essa pessoa realmente veio de Deus. Então, devemos ouvir a Sua mensagem.

[Cf. João 5:39; Atos 2: 25-36; 3: 18-26; 10:43; 13: 27-39; etc]

Alguns exemplos de profecias que Jesus cumpriu:

** Nascido em Belém (cf. Miquéias 5: 2 a Mateus 2: 1-6)

** Descendente de Davi (cf. Jeremias 23: 5 a Atos 13: 22,23)

** Profeta de Deus (cf. Deuteronômio 18: 17-19 a Atos 3: 20-23)

** Fore-runner para preparar o seu caminho (cf. Is 40: 3,4 a Lucas 3: 2-5)

** Morte por crucificação pela culpa de outros (cf. Sl 22: 16-18; 34:20; Isaías 53: 4-12 a João 19: 18-37 e 1 Pedro 2: 21-25).

** Ressurreição (Sl 16:10 cf. Atos 2: 24-32)

Jesus fez milagres, incluindo a ressurreição.

a história de jesus

Os milagres de Jesus provaram que Ele era de Deus.

Milagres às vezes cumpriam vários propósitos, mas o único propósito sempre realizado pelos milagres de Jesus era demonstrar que Deus estava operando através Dele.

João 5:36 – As obras de Jesus testificam que Ele era de Deus.

Atos 2:22 – Jesus foi aprovado por Deus por milagres.

João 20: 30,31 – Nós não vimos os milagres hoje, mas cremos na base do testemunho ocular nas Escrituras que Jesus fez milagres.

[Cf. João 11: 47,48; 4:48]

Exemplos de milagres que confirmam quem é Jesus

Nós já lemos sobre alguns desses milagres:

** Nascimento virginal – Matt. 1: 18-25; Lucas 1: 26-35

** O testemunho de Deus no Seu batismo e na Transfiguração – Mt. 3: 13-17; 17: 1-5

** Levantando os mortos – João 11: 17-44

** Andando na água e acalmando uma tempestade – Matt. 14: 22-33; 8: 23-27

** Alimentando milhares com alguns pães e peixes – Matt. 14: 13-21; 15: 32-39

** A ressurreição – Rom. 1: 4

Deus propositadamente planejou que Jesus desse evidência suficiente para qualquer pessoa honesta ser convencida de quem Jesus realmente é. Se você procura saber a validade das alegações da Bíblia sobre Jesus, você precisa considerar a evidência com um desejo sincero de conhecer a verdade.

Esta é a história da vida de Jesus. Você acredita que esta história seja verdadeira? Você gosta de contar a história para os outros? Que esforços você fez para dar aos outros a oportunidade de ouvir e acreditar?

Verso 3: Morte, Enterro, Ressurreição e Ascensão de Jesus

A. Previsões da morte e ressurreição de Jesus

Aprendemos que a profecia cumprida e os milagres de Jesus são duas das maiores provas de que Ele realmente era de Deus. O mais importante dos milagres que ocorreram foi a Sua ressurreição dos mortos. Se Jesus realmente ressuscitasse dos mortos, isso seria incrível. Mas ainda mais surpreendente é o fato de que Sua ressurreição foi prevista antes do tempo.

Previsões do Antigo Testamento

Lucas 24: 44-46 – Jesus explicou que Sua ressurreição cumpriu as predições dos profetas.

Atos 13: 34-38 – Por exemplo, Davi previu alguém cuja carne não veria corrupção e sua alma não permaneceria no Hades. Isso só poderia ser verdade se surgisse dentre os mortos.

Isaías 53: 7-12 – Ele morreria, mas “ele verá a sua semente, ele prolongará os seus dias” (v10). Como isso poderia ser? Apenas pela ressurreição.

[Cf. 1 Cor. 15: 1-4; Atos 2: 23-31; 17: 2,3.]

As próprias previsões de Jesus

João 2: 18-22 – Jesus ‘predisse que os judeus destruiriam seu corpo (templo), mas Ele o reconstruiria em três dias.

Mateus 16:21 – Jesus disse claramente aos discípulos que Ele seria morto e ressuscitaria no terceiro dia.

Imagine um homem fazendo tal previsão. Se ele fosse falso, logo após sua morte, todo mundo saberia que ele era falso. Mas Jesus fez a previsão; e em vez de perder o Seu seguimento, veremos que muitas pessoas testificaram que pessoalmente O viram vivo novamente depois de ter morrido.

[Cf. Matt 17: 9,23; 20:19; 26:32; 27:63; Mk 8:31; 9: 9, 10, 31; 10:34; 14:28; Lucas 18:33; 24: 4-7.]

B. Traição e prisão

Mateus 26: 1-4,14-16 – líderes judeus decidiram matar Jesus, porque Ele havia revelado seus pecados para as multidões. Judas, um dos discípulos de Jesus, também era ladrão. Ele concordou em trair Jesus aos seus inimigos por trinta moedas de prata.

Mateus 26: 36-41 – Depois de ensinar seus discípulos a participar da Ceia do Senhor em memória de sua morte, Jesus foi ao Getsêmani. Ali Ele orou para que pudesse evitar o sofrimento da cruz, mas mesmo assim estava disposto a obedecer à vontade do Pai.

Mateus 26: 47-56 – Judas veio trazendo soldados para capturar Jesus e mostrou aos soldados que o homem deveria prendê-lo beijando-o. Quando Jesus se recusou a permitir que Seus discípulos o defendessem, todos eles O abandonaram e fugiram. Mais tarde, Pedro negou-lhe três vezes, como Jesus havia previsto anteriormente que ele faria.

A maioria de nós só pode imaginar como isso seria terrível. Mas se você já teve um amigo de costas para você, então você tem um gostinho do que Jesus experimentou. Ele deixou as alegrias do Céu, veio à Terra e passou anos ensinando Seus discípulos. No entanto, quando parecia que seus inimigos estavam prestes a derrotá-lo, um dos seus discípulos o traiu por dinheiro, outro negou três vezes, e todos os outros o abandonaram. No entanto, Ele aceitou tudo isso para poder salvá-los e a nós do pecado.

C. Ensaios e Crucificação

Não vamos discutir muitos detalhes, mas considere algumas das evidências de que Jesus era inocente e não merecia a morte.

Mateus 26: 57-67 – Nos julgamentos judaicos , os líderes judeus procuraram fundamentos para matar Jesus, mas não puderam encontrar provas válidas mesmo com a ajuda de muitas falsas testemunhas. Finalmente, eles O condenaram por blasfêmia porque Ele alegou ser o Cristo. Mas foi fácil provar que Ele alegou ser o Cristo. A pergunta era: a alegação era verdadeira ou falsa? Os judeus nunca consideraram isso. Eles simplesmente ignoraram todas as evidências de que ele era o Cristo e O condenaram a fazer uma afirmação blasfema!

Mateus 27: 3-5 – Judas admitiu que havia traído uma pessoa inocente e se enforcou.

Lucas 23: 1-11 – Jesus foi levado perante o governador romano Pilatos , onde os judeus acusaram Jesus de ensinar as pessoas a não prestar tributo a César, apesar de saberem que Ele realmente havia ensinado exatamente o contrário (Mateus 22:15). -21).

Lucas 23: 8-11 – Pilatos enviou Jesus a Herodes , que zombava dele e o enviou de volta a Pilatos. Pilatos (vv 13-16) então disse ao povo que nem ele nem Herodes encontraram qualquer falta em Jesus digna da morte.

Mateus 27: 15-26 – Pilatos repetidamente afirmou que Jesus era inocente e tentou libertá-lo, mas os judeus recusaram. A esposa de Pilatos enviou-lhe uma mensagem dizendo que ela sabia que Jesus era inocente. Mas os judeus disseram que eles e seus filhos teriam responsabilidade por sua morte, então Pilatos chamou Jesus para ser crucificado.

Mateus 27: 27-54 – Leia o relato de Mateus sobre a crucificação real.

João 18: 31-34 acrescenta que o lado de Jesus foi perfurado com uma lança para garantir que Ele estava morto.

Então, ninguém nunca provou que Jesus era culpado de qualquer delito. Seu traidor, dois de seus juízes (Pilatos e Herodes), e até mesmo uma esposa de um dos juízes, declararam que ele era inocente. No entanto, ele foi crucificado como criminoso.

D. Enterro

Mateus 27: 57-60 – Os discípulos de Jesus prepararam o corpo para o enterro e o colocaram na caverna de José de Arimatéia.

Mateus 27: 62-66 – Os judeus lembraram que Jesus havia prometido ressuscitar dos mortos. Assim, com a permissão de Pilatos, selaram a pedra sobre a entrada e colocaram guardas do lado de fora para garantir que o corpo não saísse do túmulo.

E. Razões para a sua morte

Todo mundo morre eventualmente. Para muitas pessoas, a morte de Jesus pode não parecer extraordinária. Mas a morte dele foi a mais importante que já ocorreu. De fato, é essencial para nossa salvação.

Hebreus 2: 9 – Jesus provou a morte por todo homem. Ele não morreu pelos seus próprios pecados – Ele não teve nenhum pecado. Sua morte também não foi simplesmente um erro da justiça. Jesus morreu por nossos pecados.

1 Pedro 2:24 – Ele levou os nossos pecados na cruz, para que pudéssemos viver para a justiça. Ele foi um sacrifício. Ele era o Filho de Deus sem pecado, morrendo como penalidade por aqueles de nós que eram culpados, para que pudéssemos ir livres.

Romanos 5: 6-9 – Seria incrível encontrar alguém disposto a dar a própria vida no lugar de uma pessoa justa, mas Jesus morreu por nós enquanto éramos pecadores.

2 Coríntios 5:21 – Ele não cometeu pecado, mas foi feito para ser pecado em nosso favor. É por isso que era essencial que Jesus vivesse uma vida sem pecado. Se Ele tivesse pecado, Ele teria que ser punido por seus próprios pecados. Mas porque Ele viveu uma vida sem pecado e não merecia morrer, Ele foi capaz de sofrer por outros que mereciam morrer.

Incrível como tudo isso é, é ainda mais surpreendente perceber que Ele veio à Terra sabendo o tempo todo que Ele teria que morrer pelos pecados dos outros. O Criador tomou a forma daquilo que Ele criou, a fim de sofrer como um sacrifício para salvar Suas próprias criaturas. Se Jesus não tivesse morrido, nenhum de nós poderia ser perdoado dos pecados. Todos nós teríamos que morrer por nossos próprios pecados (Romanos 6:23). Nós podemos ser salvos somente porque Jesus morreu por nós.

[Cf. João 3:16; ROM. 4:25; 1 João 4: 9; etc]

F. Ressurreição e Aparições

1 Coríntios 15: 16,17 – Se Jesus tivesse simplesmente morrido sem ser ressuscitado, Satanás teria sido o vencedor. Ele teria derrotado Jesus e todos nós ainda estaríamos em nossos pecados. A fim de derrotar Satanás e assim nos justificar, Jesus teve que se levantar dos mortos.

Mateus 28: 1-10 – Todos os quatro relatos do evangelho afirmam que Jesus foi ressuscitado. Todos os quatro relatos de testemunhas oculares que O viram vivo após a sua morte. Escritores diferentes registram aparências diferentes. Nenhum escritor dá uma lista completa de todas as aparências.

1 Coríntios 15: 5-8 – Paulo lista várias das aparições de Jesus, incluindo a aparição ao próprio Paulo na estrada para Damasco.

João 20: 24-31 – Este exemplo mostra a natureza factual e histórica das aparições de Jesus. Thomas dissera que não acreditaria que Jesus tivesse sido criado até que pessoalmente o visse vivo. Quando Jesus deu a Ele a prova, Tomé confessou que ele era “meu Senhor e meu Deus”. João afirma que todos nós devemos acreditar nisso também, mas não precisamos ver para acreditar.

João 19:35; 20: 30,31; 21:24 – Aqui está como podemos acreditar. O testemunho das testemunhas oculares foi registrado nas Escrituras. Seu testemunho diz que Jesus fez milagres, Ele morreu e viveu novamente depois que morreu.

Romanos 1: 4 – Deus provou que Jesus era o seu Filho, ressuscitando-o dentre os mortos. A ressurreição é o mais básico e fundamental de todos os milagres de Jesus. A única maneira que você pode ser salvo do pecado é acreditar que seja verdade (Romanos 10: 9,10).

Jesus mostrou-se vivo por “muitas provas infalíveis” (Atos 1: 3). O que você fará com essa prova? Pessoas honestas devem investigar e chegar a um veredicto honesto.

[1 pet. 3:21; Hebr. 2:14; ROM. 4:25]

G. Ascensão e Estabelecimento de Sua Igreja

Atos 1: 2-11 – Tendo aparecido aos seus discípulos durante um período de 40 dias, e tendo discutido com eles sobre o Seu reino, Jesus subiu ao céu. Os anjos prometeram que um dia retornaria da mesma maneira.

O reino tinha sido um tema importante do ensinamento de Jesus. Ele havia prometido edificar Sua igreja, que é Seu reino espiritual (Mt 16: 18,19). Ele disse que esse reino viria com poder na vida de seus discípulos (Marcos 9: 1). Aqui Ele prometeu que o poder viria quando o Espírito Santo viesse poucos dias depois.

Atos 2: 29-38 – O Espírito Santo veio em Jerusalém no dia de Pentecostes. Deu o poder dos apóstolos para falar em outras línguas (vv 1-4). Pedro pregou que Jesus está agora no trono de Davi como Senhor e Cristo. Mas para fazer isso, Jesus teve que ser ressuscitado dos mortos.

Para sermos salvos dos nossos pecados, devemos crer em Jesus como nosso sacrifício e nosso Senhor, e devemos nos arrepender dos pecados e sermos batizados. Aqueles que fazem isso são adicionados à igreja de Jesus (v47), que é o Seu reino (Col. 1: 13,18).

Filipenses 2: 9-11 – Porque Jesus alcançou todas estas grandes obras em nosso favor, Deus o exaltou a uma posição de honra e autoridade, acima de todas as outras autoridades (Efésios 1: 21-23). Para sermos salvos, devemos nos submeter à Sua autoridade e confessar Sua grandeza.

Conclusão

Esta é a história da vida terrena, morte e ressurreição de Jesus.

Mas este não é o fim da história. Jesus vai voltar!

Mateus 25: 31-46 – Quando Jesus subiu, os anjos disseram que Ele retornaria. Ele não retornará para começar a governar como rei; Ele começou a governar como rei quando ascendeu, e continuará a governar até que venha novamente (1Co 15: 21-26). Ele retornará como nosso juiz para nos recompensar por como o servimos. Aqueles que servem fielmente receberão a vida eterna; aqueles que não servem receberão o castigo eterno (v 41,46).

Atos 17: 30,31 – Para se preparar para este julgamento, devemos nos arrepender de nossos pecados. Arrepender-se significa que devemos “mudar nossas mentes” sobre o pecado, decidindo abandoná-lo e viver para Jesus. Como aprendemos anteriormente, devemos então confessar a Cristo e sermos batizados para que o Seu sangue possa nos perdoar, e então devemos viver uma vida fiel.

A história de Jesus é a maior história já contada.

A lição para nós aprendermos com esta história é que Jesus é nosso Criador, Salvador e Mestre. Como você e eu reagimos a essa história determinará nosso destino eterno. Temos a opção de servi-Lo e receber a vida eterna, ou recusar-se a servi-Lo e receber o castigo eterno.

Deixe uma resposta